E24
cedovem pedrinhas mar erosao

Esposende: Moradores de Cedovém e Pedrinhas contra a demolição de 180 casas e dizem que “vão lutar até ao fim” nos tribunais

A Câmara de Esposende quer demolir cerca de 180 construções na zona da praia da Apúlia, face ao “risco evidente” para pessoas e bens decorrente do avanço do mar, mas a intenção é contestada por moradores e proprietários.

Foram ouvidas vozes muito críticas, como a de uma proprietária de habitação a manifestar-se “chocada” com o projeto e a garantir que vai lutar contra a demolição.

“Se pensam deitar aquilo tudo abaixo, contem com a nossa oposição. Este projeto vai anular Cedovém. Estou chocada”, disse Isolete Matos.

Já outro morador afirmou que aquele é um projeto “para deitar casas abaixo e plantar feno”, destruindo o “património brutal” de Cedovém.

Os moradores e proprietários prometem que a luta poderá chegar aos tribunais.

Benjamim Pereira adiantou que o projeto “não está fechado”, lembrando que a Câmara abriu um período, até 04 julho, para que os interessados possam apresentar as suas sugestões.

Falando numa reunião na noite de ontem, que demorou mais de quatro horas e que juntou mais de meia centena de moradores, proprietários, empresários e pescadores, o presidente da Câmara, Benjamim Pereira, o edil alertou para o avanço do mar.

“O mar está cada vez mais próximo e nunca nos vai dar tréguas”, alertou o autarca, adiantando ainda que a “grande parte“ daquelas construções é ilegal.

As demolições acontecerão na zona de Pedrinhas e Cedovém, na freguesia de Apúlia.

No entanto, a ideia foi fortemente contestada pelos proprietários e moradores presentes na reunião, que prometeram lutar nos tribunais para a sua concretização.

“Vão matar aquela zona”, disse a proprietária de uma habitação.

Segundo Benjamim Pereira, entre as construções contam-se 14 casas, cujos moradores serão realojadas em habitação que será construída num terreno que o município vai adquirir expressamente para o efeito, num investimento de 400 mil euros.

Há ainda sete restaurantes, que serão “relocalizados”.

Os que existem serão demolidos e substituídos por outros, mais afastados da linha da costa e construídos em madeira e amovíveis, para o caso de no futuro vir a ser necessário voltar a afastá-los do mar.

De resto, a esmagadora maioria das construções são barracos, que servem de apoio às atividades piscatórias e agrícolas.

cedovem praia pedrinhas erosao

“Uma coisa é certa, naquela frente de mar não voltará a haver habitação”, assegurou Benjamim Pereira.

Lembrou que em 2019 uma habitação foi levada pelo mar e que uma outra foi evacuada pela iminência de ter igual destino.

Disse ainda que, na zona das Pedrinhas, algumas das edificações com “valor histórico e arquitetónico relevante” poderão manter-se de pé, constituindo uma espécie de núcleo arqueológico ao ar livre.

“Mas nunca para habitação”, reiterou.

Publicidade