22.2 C
Braga
Segunda-feira, Agosto 8, 2022
InícioCávadoEsposende: Quebras de 31,9% na procura de casas

Esposende: Quebras de 31,9% na procura de casas

Data:

Subscreva

- Tenha acesso a todo o conteúdo do site

- Nunca perca uma noticia ou novidade na sua cidade

- Receba sempre as melhores promoções dos nossos parceiros

- Publicidade -

Ùltimas

spot_img
spot_imgspot_img

Um estudo da Idealista mostra que a procura de casas no litoral com praia esteve em alta, subindo em 45 concelhos do litoral português, com destaque para Murtosa (+114,7%), Loulé (94,2%) e Portimão (+90,9%).

No entanto o estudo confirma que Esposende está perder gás e são cada vez mais os que consideram este concelho pouco atrativo para adquirir casa.

Segundo os dados obtidos por este jornal, as maiores descidas da procura registadas entre maio de 2021 e maio de 2022 de Portugal foram em Esposende com quebras de 31,9% (à data de maio de 2022), seguido de Grândola (24,9%) e Alcácer do Sal (18,1%).

Em sentido contrário, a oferta tem aumentado em Esposende, mas com preços muito especulativos. O município da foz do Cávado lidera a lista dos municípios onde a oferta de casas no litoral subiram na ordem dos 27,7%. Sines (+18,2%), Ovar (+1.,1%) e Alcácer do Sal (+0,7%) são os restantes concelhos com mais oferta do que procura.

Se olharmos aos preços, em média uma casa em Esposende custa quase 300 mil euros (294.694 euros) com o preço unitário por metro quadrado a andar nos quase dois mil euros por metro quadrado (1.996 euros).

Já no mercado do arrendamento, Esposende apresenta em média uns proibitivos 871 euros por mês, com uma média de praticamente 6,5 euros por metro quadrado por mês.

A procura de casas na praia à venda cresceu em 45 dos 54 municípios situados na costa portuguesa, fazendo cair a oferta de casas na maioria dos concelhos e disparar os preços das casas.

E o mesmo cenário se verifica no mercado de arrendamento de casas junto ao mar.

Olhando para os 54 municípios que compõem o litoral português, verifica-se que as casas ficaram mais caras em 48 localidades entre maio 2021 e maio 2022.

Foi em Sines, na costa alentejana, que se assistiu a um maior aumento dos preços das casas junto ao mar (+71%), sendo que uma habitação passou a custar, em média, 465.284 euros em maio, mostram os dados do idealista/data. No Top3 dos maiores aumentos estão Grândola, no Alentejo, (+53,8%) e Lagos, no Algarve (+44,1%).

E onde é que é mais caro comprar casa no litoral português? É precisamente em Cascais, onde uma casa custou, em média, 892.485 euros em maio de 2022. Logo a seguir está Grândola (872.644 euros) e Loulé (721.628 euros).

Os municípios do litoral português onde é mais barato comprar casa perto da praia são Porto de Mós, onde adquirir uma habitação custa, em média, 119.056 euros, Marinha Grande (157.315 euros), Cantanhede (161.198 euros), Figueira da Foz (179.599 euros), Santiago do Cacém (194.703 euros).

É em Lisboa onde o preço das casas por m2 é superior, alcançado, em média, os 5.048 euros. A seguir está Cascais (4.069 euros/m2), Grândola (3.785 euros/m2), Loulé (3.339 euros/m2) e Lagos (3.292 euros/m2).

Já o ranking dos municípios do litoral onde os preços das casas são mais baratos é liderado por Porto de Mós (657 euros/m2), seguido de Cantanhede (884 euros/m2), Oliveira de Azeméis (941 euros/m2), Marinha Grande (957 euros/m2) e Murtosa (1.102 euros/m2).

 

error: O conteúdo está protegido!!
GDPR Cookie Consent with Real Cookie Banner