E24

Braga: Joana Meneses Fernandes nova administradora do Theatro Circo

A gestora Joana Meneses Fernandes vai ser a nova administradora-executiva do Theatro Circo, de Braga, substituindo Cláudia Leite, que resignou ao cargo depois de nomeada para vogal da empresa pública Museus e Monumentos e Portugal, anunciou a autarquia.

Em comunicado, o município de Braga acrescenta que a recomposição do conselho de administração da empresa municipal Theatro Circo de Braga será consumada na assembleia-geral a ter lugar na próxima segunda-feira.

Vão manter-se, como presidente, o também presidente da Câmara de Braga, Ricardo Rio, e, como vogal não executiva, Maria de Lurdes Rufino.

Para Ricardo Rio, Joana Meneses Fernandes é a “solução natural para dar continuidade, com tranquilidade e competência, ao trabalho desenvolvido até aqui”, tendo em vista a preparação de diversos projetos e iniciativas e, sobretudo, na antecâmara da Braga 2025 – Capital Portuguesa de Cultura.

O CV de Joana

Joana Fernandes fez parte da empresa municipal Theatro Circo em 2018 quando assumiu a coordenação executiva da Braga Cultura 2030 – Estratégia Cultural de Braga 2020–2030 e, posteriormente, a coordenação do programa artístico da Braga’27 – candidatura a Capital Europeia da Cultura.

Foi gerente e gestora sénior de projetos na Opium (2006-2017), empresa especializada em consultoria no setor cultural.

Neste âmbito, foi responsável pela coordenação geral dos projetos Manobras no Porto (promovido pela Porto Lazer, EM., 2011-2012), Festival do Norte (promovido pela Turismo do Porto e Norte, ER., 2012-2013), Quintas do Barroco do Tâmega e Sousa (promovido pela Comunidade Intermunicipal do Tâmega Sousa, 2017), exposição permanente da Casa da Memória de Guimarães (Câmara Municipal de Guimarães/A Oficina, 2016).

E ainda…

Como consultora, foi responsável, entre outras, pelas candidaturas a financiamento comunitário da Capital Europeia da Juventude Braga 2012 e reabilitação do gnration (2011).
Foi coautora do Estudo Macroeconómico para o Desenvolvimento das Indústrias Criativas na Região Norte (Fundação de Serralves, 2007) e do Plano de Gestão do Centro Histórico do Porto Património Mundial UNESCO (Câmara Municipal do Porto e SRU Porto Vivo, 2008).
Licenciou-se em Arte e Património pela Escola das Artes da Universidade Católica do Porto e concluiu na mesma instituição o mestrado em Gestão do Património Cultural, com a dissertação “Turismo Cultural no Centro Histórico do Porto”.

O conselho de administração da Museus e Monumentos de Portugal, anunciado na passada quinta-feira, conta com Pedro Sobrado como presidente e como vogais, como, Cláudia Leite e a anterior presidente da direção da secção portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM-Portugal), no triénio 2020- 2023, e diretora do museu-biblioteca da Casa de Bragança, Maria de Jesus Monge.

 

Publicidade