22.8 C
Braga
Quinta-feira, Agosto 11, 2022
InícioLifestyleSons pesados e solidários no Outeiro em Perelhal

Sons pesados e solidários no Outeiro em Perelhal

Data:

Subscreva

- Tenha acesso a todo o conteúdo do site

- Nunca perca uma noticia ou novidade na sua cidade

- Receba sempre as melhores promoções dos nossos parceiros

- Publicidade -

Ùltimas

spot_img
spot_imgspot_img

Uma tarde de concertos de sonoridades pesadas com uma vertente solidária. É esta a proposta da promotora Noise Dealer que vai realizar o evento “Who can save our souls II”, este sábado, 29 de fevereiro, a partir das 15h00, no Outeiro, em Perelhal, freguesia de Barcelos.

Do cartaz fazem parte os Repressão Caótica, banda emblemática da cena punk/crust barcelense, que regressa aos concertos após um hiato de quase dois anos, aos quais se juntam os Carne Pa Canhão (punk hardcore de Coimbra), os Rusted Sun (hard-rock de Barcelos) e os Orangotango (stoner/psicadélico do Porto). A seleção musical entre concertos estará a cargo do DJ Vassouras.

https://youtube.com/watch?v=DjMGYbI4xqU%3Ffeature%3Doembed

A entrada tem o custo de 10 “deals” com a oferta de uma bebida e a organização apela a que o público contribua com material escolar para levar para Moçambique, através da SOPRO – ONGD. O Outeiro é um espaço que tem vindo, nos últimos tempos, a promover concertos e outras formas de criação artística numa lógica DIY e de autossustentabilidade. “O projeto baseia-se no pensamento de que cada um de nós pode fazer a sua parte no mundo a partir de pequenos gestos e ações”, explica ao E24 Francisco Costa, responsável da Noise Dealer.

https://youtube.com/watch?v=MoVMkuQE89A%3Ffeature%3Doembed

Rusted Sun

“Assim, este projeto consiste na dinâmica de autossuficiência do espaço, através da produção própria da alimentação, reutilização de material para diferentes contextos, desde aproveitamento de ‘lixo’ até à logística de criação de matéria-prima para criação de objetos e produtos. Na continuidade deste projeto, o objetivo é mesmo não necessitar de alimentar o consumismo para a sobrevivência do espaço e de quem nele trabalha e vive”, explica o promotor. E é nessa forma de pensar e agir que, realça Francisco Costa, se enquadra a vertente solidária do evento: “Este é um espaço que tem como objectivo a dinâmica cultural e artística, tal como a sensibilização para a importância da entreajuda e da educação para a consciencialização de que o nosso mundo é de todos nós, trabalhamos não só por ajudar quem nos ajuda, mas também para que possamos ajudar quem mais precisa, daí, a realização de eventos solidários ser uma constante no espaço, pois nós não perdemos nada e sabemos que podemos fazer algo de bom por quem realmente precisa”.

error: O conteúdo está protegido!!
GDPR Cookie Consent with Real Cookie Banner