E24
urgencia hospital viana

Viana: Urgência de cirurgia da ULS do Alto Minho encerrada entre sexta-feira e domingo

A urgência médico-cirúrgico da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM) vai estar encerrada entre sexta-feira e domingo devido à recusa dos médicos em fazer mais do que as 150 horas extraordinárias definidas pela lei, foi hoje divulgado.

Fonte do conselho de administração adiantou que o encerramento deste serviço de urgência ocorrerá na sexta-feira e no fim de semana, sendo que no ferido (quinta-feira) estará a funcionar normalmente, sem restrições.

“Na próxima semana a situação será reavaliada”, adiantou a fonte da ULS.

ULS do Alto Minho Encerrada

Em comunicado, o conselho de administração informa que, “dada a indisponibilidade de todos os médicos de cirurgia geral em fazer mais de 150 horas extraordinárias por ano e, por terem atingido já esse limite”, na sexta-feira, no sábado e no domingo os doentes serão encaminhados.

“Para a rede de referenciação, estando assegurada a pequena cirurgia, diariamente, bem como a assistência aos doentes cirúrgicos internados”, afirma a fonte.

A ULSAM gere o hospital de Santa Luzia, em Viana do Castelo, e o hospital Conde de Bertiandos, em Ponte de Lima.

Integra ainda 12 centros de saúde, uma unidade de saúde pública e duas de convalescença, servindo uma população residente de 231.488 habitantes nos 10 concelhos do distrito e algumas populações vizinhas do distrito de Braga.

hospital viana medicos

Em setembro, um grupo de profissionais enviou ao ministro da Saúde uma carta aberta com mais de 1.000 assinaturas de médicos a avisar da sua indisponibilidade para fazerem mais horas extras.

Problemas nas escalas do serviço urgência

Desde então, segundo o movimento Médicos em Luta, a indisponibilidade dos médicos provocou “problemas na elaboração da escala do serviço de urgência” em pelo menos 21 hospitais.

Estes são Viana do Castelo, Garcia da Orta, Bragança, Barreiro, Guarda, Viseu, Santarém, Braga, Matosinhos, Leiria, Aveiro, Caldas e Torres Vedras, Portimão e o Hospital Santa Maria.

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) agendou uma manifestação nacional para o dia 17, frente ao Ministério da Saúde.

 

Publicidade